quarta-feira, 10 de junho de 2009

Os sacos de plástico não morrem






Me parece mesmo que quem é vivo sempre aparece. Os Titãs reaparecem depois de seis anos sem um disco de inéditas e apresentam “Sacos Plásticos” (Arsenal Music – R$ 27), produzido por Rick Bonadio, famoso por trabalhar com artistas diversos e populares demais como NXZero, ET e Rodolfo, Rouge, Bro’z, Mamonas Assassinas, entre outros. Em contrapartida, Bonadio também já trabalhou com Ira!, Charlie Brown Jr., e alguns outros sons audíveis.


A intenção principal da banda foi revisitar com frescor as influências que eles mesmos criaram ao longo de 27 anos de carreira. Claramente “amor” é o tema desse novo trabalho de Branco Mello, Charles Gavin, Paulo Miklos, Sérgio Britto e Tony Bellotto.


A começar por “Amor por dinheiro”, a faixa que abre o CD. Essa não é do tipo romântica. Pelo contrário, Sérgio Britto grita (no seu melhor estilo) “acima da lei de Deus, o dinheiro!”. Ouvindo a música já fica nítida a sensação de que os Titãs de fato voltaram. Ao mesmo tempo nota-se a novidade: a banda incorporou elementos eletrônicos, quase que em substituição à bateria. Embora seja uma ótima canção, esta é uma das faixas onde falta a força de Charles Gavin, como eles próprios dizem, o “motor da banda”. A esperança fica para quando ela for para o palco, onde apenas os cinco irão executar as músicas, assim como aconteceu no CD.


“Antes de Você” (ouça no fim do texto) é a faixa com mais apelo comercial, e que por isso rende algumas comparações com as bandas de emocore. Embora seja razoavelmente chorosa, é um rock firme, com guitarras marcadas e apenas alguns arranjos da introdução parecem mal colocados. Importante ressaltar, há cerca de 1 ano, a MTV mostrou um especial com os Titãs em estúdio se preparando para esse disco, e “Antes de Você” tinha outra cara. Era mais madura e tinha uma melodia elaborada. A atual versão é boa, mas a antiga era muito melhor. Por não ter a cara dos Titãs (e sim do Paulo Miklos) destoa do conceito do disco.


Em seguida os Titãs apresentam a faixa-título. “Sacos Plásticos” é um ska em tom menor, que fala sobre o consumo exacerbado que muitas vezes transforma pessoas em objetos. Mais uma vez as programações se sobressaem em relação à bateria. Uma pena. Vale muito pelos riffs de Tony Bellotto. No disco todo o guitarrista se supera e volta a criar linhas geniais para harmonias simples, como fez em grandes obras como Cabeça Dinossauro (1986), Jesus não tem dentes no país dos banguelas (1987) e Õ Blesq Blom (1989). Bellotto não é um guitar hero, assim como os Titãs nunca foram exímios instrumentistas. Mas da mesma forma que a banda, ele surpreende com uma criatividade empolgante.


“A Estrada” finalmente traz o som heavy dos Titãs. Dessa vez Charles Gavin desce o braço na batera. E a novidade fica por conta da brilhante condução do (tradicionalmente) tecladista Sérgio Britto em um baixo bem equalizado e dosado para o que o rock pede.


Outra canção de peso é “Agora Eu Vou Sonhar”. Embora pareça ter saído do bom “Eu Sou 300” (2007), último álbum solo de Sérgio Britto, os berros semi-desafinados em palavras como “escravize” e “despedace”, transparecem com muita veracidade o alívio dos negros com o “fim” (será que acabou?) do preconceito racial. Bellotto mais uma vez é brilhante na linha que conduz a canção. Destaque para o “Hey ho, let’s go” em alusão aos Ramones, e para o áudio do discurso “I have a dream” de Martin Luther King.


O momento alto astral do disco é “Quanto Tempo”. A poesia-reflexão de meia-idade de Tony Bellotto ganha um plus em uma melodia grudenta. O refrão (O tempo passa tão depressa / Logo acaba, mal começa/ Eu tenho pressa / Não vou olhar pra trás) fica impregnado na mente de quem ouve. É a primeira vez que os três vocalistas dividem uma canção.


Duas faixas chamam a atenção pela ousadia nas tais programações: “Problema” e “Múmias”. A primeira é uma parceria de Paulo Miklos com Liminha e o ex-titã Arnaldo Antunes. Lembra as boas dissecações de Arnaldo sobre apenas uma palavra, neste caso, o título. Já a segunda faz uma brincadeira irônica com o fato de que a banda vive cantando suas músicas antigas. Nas duas, cantadas por Paulo Miklos, os elementos eletrônicos agora sim estão na medida, e lembram grandes canções da banda como "Comida", "Miséria", "Diversão", etc. Pode-se inclusive ouvir um backing gritando “O quê” em uma delas.


Presente naquele especial da MTV de 1 ano atrás, “Não espere prefeição” também sofreu alterações. Mas neste caso para melhor. O estilo pesado também está presente nesta música que tem um pequeno desacerto: o solo de guitarra da introdução usa um som trêmulo muito chato. A exemplo de “A estrada”, esta música está em um tom mais baixo do que tradicionalmente Branco Mello costumava cantar. Mas a melhor dele é “Deixa Eu Entrar”, assinada por Britto, Bellotto e Andreas Kisser (Sepultura), que também toca na faixa. Branco volta a fazer a voz cavernosa beirando o gutural, a qual não fazia desde os tempos de Titanomaquia (1994). Ouvidos atentos para o solo de Andreas. Britto também toca baixo nessa.


Se o tema do disco é amor, e os Titãs de ultimamente andavam fazendo boas baladas, elas não poderiam faltar neste novo disco. A duas mais bonitas têm arranjos de cordas gravados Nashville. “Por Que Eu Sei Que É Amor” traz um hammond suave com um agradável violão de aço na introdução. Os Titãs se refinaram com acordes com sétima aumentada. Mais um refrão que gruda na memória. Talvez pudesse ter sido a melhor escolha para primeira música de trabalho. A outra com cordas é “Deixa Eu Sangrar”. Uma emocionante interpretação de Sérgio Britto para uma canção composta por ocasião do falecimento de sua mãe em 2007. A letra parece servir também para o fim de uma relação amorosa. Destaque para os backings de Paulo Miklos.


Ponto negativo para duas músicas: na introdução de “Quem Vai Salvar Você do Mundo?” um arranjo fraquinho de piano que vai e volta em três notas acompanha boa parte da música. Ela também tem as cordas de Nashville e só vale escutar inteira por causa disso. O problema é que depois da frase “se a vida é para mais ninguém”, vem um breque que parece anteceder um final apoteótico, como aquele de “Nem 5 Minutos Guardados”. Mas o que vem em seguida é exatamente aquele pianinho da introdução. Outra fraca é “Nem Mais Uma Palavra”. Um reggae que em alguns momentos lembra The Police. Mas só em alguns momentos. A letra é fraca e a música dá sono.


Enfim, “Sacos Plásticos” é um disco muito mais titânico do que os dois últimos de inéditas que a banda fez. Individualmente todos eles foram muito bem nas gravações e com muito êxito conseguiram fazer um grande disco. Mas ficaram um pouco escondidos atrás dos samplers de Bonadio. Vale pensar que a inovação está exatamente na experimentação. Mas o exagero é o único pecado desse que poderia ser um álbum épico. Contudo como os próprios Titãs advertem: “não espere perfeição”. E a imperfeição sempre foi o grande charme da mais importante banda do rock brasuca.


Ouça "Antes de Você" como era antes da gravação original (Bastidores MTV - Créditos: Lismar)


Titãs - Antes de Você (antes da gravação final)


Ouça "Antes de Você"


Titãs - Antes de Você


Veja os Titãs em estúdio



Cenas da gravação do clipe de "Antes de Você"


5 comentários:

Mimi disse...

Cresci ouvindo meu irmão ouvir Titãs, o que me fez virar fã da banda, sei que vem coisa boa por aí!!!

Bjos!

http://maria-chuteira.blogspot.com/

avassaladorasrio disse...

Querido amigo avassalador...
Sou fã dos Titas!
para mim "a melhor banda de rock do ultimo fim de semana"! para sempre!

aline disse...

Não posso fazer comentário técnico, pois n sou música, e acho que seus comentários dispensam os meus!!! Mas o cd émuito bom mesmo, com alguns sons que lembram os antigos, outros bem atuais, e como vc bem pontuou, há tb os que não acrescentam em nada esse cd!!
Como sempre vc mandou bem, parabéns!

Marcelo Ribeiro disse...

Cresci ouvindo Titãs, e digo que é bom ouvir novidades desta banda que é a história do pop brasileiro.

Engraçadinha disse...

Adorei a música e perdoe-me a sinceridade, bou baixar.
Fã q é fã vai a show!

E ó, já ouvi no rádio Antes de vc. Tá eminho!

Comentei o álbum novo do Black Eyed Peas aqui:
http://confissoesdoexilio.blogspot.com/2009/07/end.html